Artefatos

A palavra artefato deriva do latim e significa arte factus, ou “feito com arte”, o que não deixa de ser verdadeiro se imaginarmos que muitos dos efeitos observados nas imagens podem ser tratados como obra quase poética, porém não é neste sentido que utilizamos esta palavra em Imagem por Ressonância Magnética (IRM) e nos demais métodos de diagnóstico por imagem. Segundo Houaiss13, artefato é toda conclusão enganosa derivada de ensaio científico ou de medição, e causada por problemas na aparelhagem empregada ou por ineficácia do método eleito. Em IRM, vamos adotar que artefato é qualquer intensidade, sinal ou característica anormal que não possui correspondência com o objeto de que se está adquirindo a imagem.

 

Não é incorreto afirmar que todas as imagens de RM apresentam algum tipo de artefato.

A RM é a técnica de imagem mais susceptível a artefatos e é a que mais os utiliza para o diagnóstico. Os artefatos podem prejudicar uma aquisição a ponto de ser necessária sua repetição ou mesmo o cancelamento do exame, por outro lado, um artefato pode ajudar a identificar uma condição patológica específica.

 

Desta forma, podemos definir as duas grandes questões que este capítulo pretende abordar:

  1. Como identificar um ou mais artefatos em uma imagem de RM?
  2. Como minimizar o artefato em uma imagem de RM?

 

Vejam que falamos em minimizar e não eliminar. Talvez fosse mais conveniente usar o termo eliminar, porém isto não é totalmente verdadeiro. O que ocorre na quase totalidade dos exames é a busca pela adequação da técnica no intuito de minimizar a ocorrência de artefatos. Como veremos mais adiante, o efeito físico que gera o artefato pode estar ocorrendo, porém devido a uma alteração nos parâmetros de aquisição ou escolha de uma técnica específica, conseguimos fazer com que ele não se torne tão evidente na imagem.

Dada a grande quantidade de tipos de equipamentos de RM, bobinas, sequências de pulso e novas técnicas, abordaremos neste capítulo os artefatos mais comuns. Artefatos mais antigos relacionados a problemas já resolvidos em equipamentos de RM e artefatos de técnicas muito recentes ainda não disponíveis clinicamente serão deixados de lado para tornar o texto mais objetivo e conciso. Buscaremos também não limitar os artefatos aos equipamentos de 1,5T, comentando também o efeito de um mesmo artefato em equipamentos com campo magnético maior ou menor.

Princípios Físicos em Ressonância Magnética